Thiago Lacerda na 12ª edição da revista Poder.”De Olho por Marco Felipak”

Thiago Lacerda na Poder

Thiago Lacerda na Poder

12ª edição da revista Poder
 
O ator Thiago Lacerda deixou um pouco o personagem Calígula, o qual vive intensamente no teatro atualmente, e posa para um editorial na revista Poder do mês de março, edição de aniversário da revista. Na pele do insano imperador romano, Thiago entende que a realização da peça é um marco em sua trajetória. “Esse projeto marca a ruptura com uma certa caretice que andava me incomodando. Ter aceitado o desafio foi um dos maiores acertos da minha carreira. Calígula transformou algo em mim e acalmou muitas inquietações. Estava precisando de gás para voltar a fazer TV”, diz.

tlacerda-by-sacha-hochstetter-3pThiago, que está escalado para a próxima novela das 8 de Manoel Carlos, escreveu de próprio punho o texto que acompanha suas fotos sobre viver um personagem que é sinônimo de preconceito e ignorância, inclusive a sua própria, ao receber o texto da peça: tlacerda-by-sacha-hochstetter2-p
 Quando li o texto, tive certeza. Naquele clássico eu teria material suficiente para me levar a lugares que nunca tinha ido antes. É isso. Para mim, Calígula era um quarto escuro, desconhecido, desafiador e inóspito. Meu único guia seria a voz criativa e sensível de Gabriel Villela. Encaramos. Demos juntos a cara à tapa. E não existe nada mais revigorante que essa disponibilidade artística. Pode bater! Mesmo que seja um aplauso.
Calígula tem bagunçado os conceitos e os preconceitos de muita gente, inclusive os meus. Tem surpreendido uma plateia efusiva, tem exposto, tal qual fratura, a ignorância de muita gente.
Minha busca continua e o imperador ainda vive!

Revista Poder/Fotos/Sacha Höchstetter

Fonte/Daniela Dantas

Silvia Vidigal Ramos – Taciana Veloso

Celebridades conferem o talento cinematográfico do Brasil no 2º Los Angeles Brazilian Film Festival, nos EUA.”De Olho por Marco Felipak”

Com duração de 5 dias e a presença de várias celebridades, LABRFF premiou Cauã Reymond, por “Se nada mais der certo”, e Leonardo Medeiros, em ‘Feliz Natal’, com o prêmio de melhor ator dividido. Selton Mello, foi o vencedor do prêmio de melhor direção. “Contratempo”, dirigido por Malu Mader e Mini Kerti, melhor documentário. Murilo Rosa foi eleito melhor ator pelo júri popular.

Melhor Ator: Murilo Rosa

Melhor Ator: Murilo Rosa

 

O ator Cauã Reymond levou o prêmio de melhor ator juntamente com Leonardo Medeiros. Entre as mulheres também houve empate, entre Cláudia Abreu e Caroline Abras. Murilo Rosa foi escolhido melhor ator pelo júri popular, e Malu Mader e Mini Kerti ganharam o prêmio de melhor documentário, pela direção de “Contratempo”.phoca_thumb_l_logo_labrff

Leonardo Medeiros prêmio de melhor

Leonardo Medeiros prêmio de melhor

 

Selton Mello mereceu atenção especial, já que “Meu nome não é Johnny”, onde é protagonista, foi escolhido como melhor filme. Além disso, Selton estreou maravilhosamente na função de diretor, arrebatando o prêmio de melhor direção, por “Feliz Natal”.phoca_thumb_l_marcio_premio6

Festival de talentos By Brasil.
phoca_thumb_l_daniela_escobar_altaphoca_thumb_l_selton20cleo20gondola

phoca_thumb_l_waldick20sempre20no20meu20corao2001_alta

Dustin Hoffmann

Dustin Hoffmann

 

 

phoca_thumb_l_murillo_rosa_024-by_ana_paula_negrao

phoca_thumb_l_joel20pizzini20dustin20hoffman20e20paloma20rocha20-20by20thiago

phoca_thumb_l_caua-by_ana_paula_negrao

Resultado

Júri Oficial
Melhor filme: “Meu nome não é Johnny”
Melhor Direção: Selton Mello, pelo filme “Feliz Natal”
Melhor Atriz: empate entre Cláudia Abreu, pelo filme “Os Desafinados”, e Caroline Abras, pelo filme “Se nada mais der certo”
Melhor Diretor de fotografia: Lula Carvalho, pelos filmes “Feliz Natal” e “A Festa da Menina Morta”
Melhor Roteiro: Matheus Nachtergaele e Hilton Lacerda, pelo filme “A Festa da Menina Morta”
Melhor Ator: empate entre Leonardo Medeiros, pelo filme “Feliz Natal” e Cauã Reymond, pelo filme “Se Nada mais der certo”

Júri Popular
Melhor Ator: Murilo Rosa
Melhor Documentário: “Contratempo”, de Mini Kerti e Malu Mader
Melhor Curta: “Sickiu Vérimanxi”, de Igor Spacek e Ivan Spacek
Melhor Curta de Animação: “Dossie Rê-bordosa”, de César Cabral
Prêmio especial pela restauração e preservação da memória de Glauber Rocha: Paloma Rocha

Informação à Imprensa:
Luiz Carlos de Oliveira logo

 

AEncerrada domingo, dia 15 de março, a 2ª Edição do Los Angeles Brazilian Film Festival terminou domingo, dia 15 de março, no The Landmark Cinema, Westside Pavilion, em Los Angeles (EUA). Prestigiado até mesmo pelo ator Dustin Hoffmann e a atriz Jenn Gotzon, o evento também recebeu a presença de inúmeras personalidades brasileiras e internacionais.
Cauã Reymond levou o prêmio de melhor ator

Cauã Reymond levou o prêmio de melhor ator