O Palhaço,estrelado por Selton Mello e Paulo José fará a sua estreia nesta sexta (8) no Festival de Cinema de Paulínia 2011.”De olho por Marco Felipak”

Produção estrelada por Selton Mello e Paulo José fará a sua estreia nesta sexta (8) no Festival de Cinema de Paulínia 2011.
 Grande parte da equipe responsável pela realização do longa-metragem O Palhaço estará presente no primeiro dia de competição do Festival de Cinema de Paulínia 2011. Para acompanhar a estreia pública desta exibição ao lado de Selton Mello estarão: Paulo José, Giselle Motta, Cadu Fávero, Erom Cordeiro, Hossen Minussi, Thogun, Jorge Loredo, Bruna Chiaradia, Teuda Bara, Maíra Chasseraux, Álamo Faco, Tony Tonellada, Moacyr Franco, Larissa Manoela, Ferrugem e Renato Macedo.
ELENCO
Paulo José  ………..Valdemar/ Palhaço Puro Sangue
Selton Mello…………Benjamim/ Palhaço Pangaré
Larissa Manoela …… Guilhermina
Giselle Motta………….. Lola
Teuda Bara…………….Dona Zaira
Álamo Facó……………..João Lorota
Cadu Fávero ……………Tony Lo Bianco
Erom Cordeiro………….  Robson Felix
Hossen Minussi………..  Chico Lorota
Maíra Chasseraux ……….Lara Lane
Thogun……………………………..Gordini
Bruna Chiaradia………………Justine
Renato Macedo……………..Borrachinha
Tony Tonelada……………….Meio Quilo
Fabiana Karla……………..Tonha
Jorge Loredo………………..Nei
Jackson Antunes……………Juca Bigode
Moacyr Franco……………..Delegado Justo
Tonico Pereira……………..Beto/ Deto Papagaio
Ferrugem…………………….Atendente da Prefeitura
Produzido pela Bananeira Filmes e co-produzido pela Mondo Cane Filmes, O Palhaço foi filmado entre os meses de março e abril de 2010, na cidade de Paulínia, interior do estado de São Paulo, e no Parque Estadual do Ibitipoca, em Minas Gerais.Benjamim (Selton Mello) e Valdemar (Paulo José) formam a fabulosa dupla de palhaços Pangaré e Puro Sangue. Benjamim é um palhaço sem identidade, CPF e comprovante de residência. Ele vive pelas estradas na companhia da divertida trupe do Circo Esperança. Mas Benjamim acha que perdeu a graça e parte em uma aventura atrás de um sonho.
SELTON MELLO nasceu em 1972 em Passos, Minas Gerais. Começou sua carreira como ator ainda na infância, estreando na televisão aos 8 anos de idade. Atuou em minisséries como O Auto da Compadecida, A Invenção do Brasil, Os Maias, Os Normais e A Cura. No cinema, entre seus principais trabalhos estão os filmes Lavoura Arcaica, Lisbela e o Prisioneiro, O Cheiro do Ralo, Meu nome não é Johnny, A Mulher Invisível e Jean Charles. Conquistou inúmeros prêmios em festivais nacionais e internacionais. Em 2008, foi lançado o filme Feliz Natal, estréia de Selton na direção. No momento trabalha na divulgação de seu segundo longa metragem como diretor O Palhaço.
SOBRE A BANANEIRA FILMES
Fundada em 2000 pela produtora Vânia Catani, a Bananeira Filmes vem consolidando-se no mercado cinematográfico como uma importante produtora brasileira, tendo como característica principal o investimento em produções independentes de notória qualidade artística. Produziu os longas-metragens de estréia dos prestigiados atores Selton Mello e Matheus Nachtergaele. Após sua bem sucedida experiência no premiado Feliz Natal, a parceria com Selton Mello se repete agora em O Palhaço, seu segundo longa. A Festa da Menina Morta, dirigido por Nachtergaele, teve sua première mundial na mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes e representou o cinema brasileiro no MOMA Institute de New York, em mostra organizada pelo Programa Ibermedia, entre diversas participações e premiações em importantes festivais.Fonte:Blog da Imagem Filme.

ADULTÉRIOS, Estréia hoje, 8 de julho no Teatro Shopping Frei Caneca.”De olho por Marco Felipak”

ADULTÉRIOS, Estréia hoje, 8 de julho no Teatro Shopping Frei Caneca

Porto Seguro
 
apresenta
 
ADULTÉRIOS
 
Peça de Woody Allen é montada pela primeira vez no Brasil
 
  ou 
 
Fabio Assunção, Norival Rizzo e Carol Mariottini
no espetáculo dirigido por Alexandre Reinecke
 
Estréia em 8 de julho no Teatro Shopping Frei Caneca
 
Um dos mais importantes cineastas contemporâneos, Woody Allen transformou a comédia moderna com sua visão irônica, sofisticada e cerebral das situações e dos personagens. Antes de ator e diretor, Allen é, por excelência, um autor, o escritor bem sucedido em televisão, cinema, comédia standup, livros e teatro.
 
Um dos textos que escreveu diretamente para o palco, Adultérios (cujo título original é Central Park West), ganha agora a sua primeira montagem brasileira. Inteligente, divertido e ligeiramente neurótico, como todo bom script assinado por Woody Allen, a peça foi traduzida por Raquel Ripani, tem adaptação e direção de Alexandre Reinecke, com Fábio Assunção, Norival Rizzo e Carol Mariottini no elenco.
 
A peça marca o retorno aos palcos de Fabio Assunção, que começou no teatro no final dos anos 80, e desde Quem Tem Medo de Virginia Woolf (de Edward Albee, dirigida por João Falcão), em 2001, não estrelava uma produção teatral. Ao seu lado, Norival Rizzo, um dos atores mais requisitados do teatro brasileiro, com um número impressionante de premiadas e elogiadas atuações; a mais recente em Doze Homens e Uma Sentença, dirigido por Eduardo Tolentino. Atriz, bailarina e coreógrafa, a bela Carol Mariottini foi destaque em Sua Excelência, o Candidato e Álbum de Família, entre outras. E o diretor Alexandre Reinecke é reconhecido como dos mais talentosos e atuantes do teatro brasileiro: somente em 2010, teve dez espetáculos em cartaz em São Paulo, entre eles os sucessos Os 39 Degraus, Toc Toc, TPM Katrina e Trair e Coçar é Só Começar.
 
Essa primeira montagem de Adultérios no país tem uma característica inusitada: o diretor Alexandre Reinecke alternará Fábio Assunção e Norival Rizzo na interpretação dos dois papéis masculinos, o mendigo Fred e o escritor Jim Swain, cuja amante é a bela e esperta Bárbara vivida por Carol Mariottini. Fábio Assunção será o sem teto Fred nas sessões de sexta (21h30) e na segunda (22h) de sábado, vivendo o escritor Jim na primeira (20h) de sábado e na de domingo (19h). Assim, Norival Rizzo será Jim na sexta e na segunda de sábado, interpretando Fred na primeira de sábado e no domingo. 
 
Adultérios estréia em 8 de julho, sexta-feira, às 21h30, no Teatro Shopping Frei Caneca (Rua Frei Caneca, 569 – 6º Andar), onde será apresentado de sexta a domingo, com duas sessões no sábado.
 
A equipe de criação da peça tem ainda os nomes de André Cortez (cenografia), Leopoldo Pacheco (figurinos), Caetano Vilela (iluminação) e Eduardo Queiroz (trilha sonora original). A direção de produção é de Giuliano Ricca. Realização da Ricca Produções. Produtores Associados: Alexandre Reinecke, Fabio Assunção e Giuliano Ricca.
 
Adultérios é apresentada pela Porto Seguro. Patrocínio de Nextel e GMAC.

Fabio Assunção e Norival Rizzo

Sinopse
 
O cenário é Nova York, como grande maioria das criações de Woody Allen. A comédia se passa à beira do Rio Hudson, com o encontro entre o roteirista de cinema Jim Swain (interpretado em sessões alternadas por Fabio Assunção e Norival Rizzo), de recente sucesso; e um típico “homeless” americano, Fred (Fabio e Norival alternam o papel). Jim está à espera de sua amante, para terminar o relacionamento. Fred, esquizofrênico e extremamente inteligente, se aproxima, puxa uma conversa trivial, até que acusa Jim de ter roubado sua história para escrever o roteiro de seu mais recente filme, um sucesso de bilheteria. Em meio a uma divertida e tensa discussão, os dois se vêem cada vez mais próximos, até que Fred acaba por se tornar um conselheiro sobre a relação que está prestes a terminar. Barbara (Carol Mariottini), a amante, finalmente chega e tudo se complica; culminando em um final surpreendente e ardiloso.
 
Adultérios, pelo diretor Alexandre Reinecke
 
Foi Raquel Ripani quem me disse que alguns textos teatrais de Woody Allen estavam disponíveis para serem negociados. Me lembro que Old Saybrook era um deles, mas me encantei imediatamente com Central Park West. Que história curiosa, inteligente; uma hora de peça que diverte, intriga, puro Woody Allen. Para comprar foi quase uma volta ao mundo: Rio de Janeiro, Buenos Aires, Nova York (claro), até chegar ao agente que realmente bate o martelo e fica em Los Angeles. Após um ano e meio de negociações, deu certo: tenho os direitos, posso montar. Há mais de um ano conversei com meus parceiros na montagem: o produtor Giuliano Ricca e o ótimo Fabio Assunção. Agenda vai, agenda vem, estamos fazendo agora com Fabinho, esse maravilhoso ator que é Norival Rizzo e com Carol Mariottini, que também é assistente de direção.
 
Desde o início, achei que seria muito interessante fazer os dois atores alternarem os papéis. É desafiador para ambos e para mim, pois teremos quase duas peças diferentes. Cada um veste o personagem de um jeito, estamos trabalhando não mais com dois papéis, mas com quatro. E é Woody Allen, permite esse tipo de jogo, tem sempre um alter ego em cena, é inteligente, faz pensar e rir.
 
Para completar, um time de criação dos sonhos: André Cortez como sempre fez o cenário perfeito, um parque novaiorquino que não é realista mas é um parque; a trilha musical especialmente composta por Eduardo Queiróz para uma formação instrumental à lá Woody Allen; a inspirada iluminação de Caetano Vilela e os figurinos de Leopoldo Pacheco.
 
Woody Allen em cena
 
Central Park West estreou em 1995 como parte de uma trilogia de peças de um ato, reunidas em um único espetáculo sob o título Death Defying Acts, da qual também faziam parte The Interview, de David Mamet, e Hotline, de Elaine May, todas dirigidas por Michael Blakemore.
 
Mas a história de Woody Allen no teatro é mais antiga: em 1960, escreveu esquetes para a revista From A to Z, um fracasso que teve apenas 21 apresentações. Seis anos depois, Allen retornou à Broadway com Don’t Drink the Water, desta vez um sucesso com 598 performances em quase dois anos em cartaz. Do início de 69 é a montagem de Play It Again, Sam, escrita por Allen e estrelada por ele e Diane Keaton (a primeira vez em que trabalharam juntos e o início do romance entre ambos), outro sucesso, com 453 apresentações, posteriormente adaptada para o cinema (no Brasil, o filme se chamou Sonhos de Um Sedutor).
 
Nos anos 70, são encenadas duas peças de um ato de Allen: God e Death. Em 1981, estréia The Floating Light Bulb, elogiada pela crítica, indicada para diversos prêmios e levando três dos principais prêmios do teatro americano (Tony, Drama Desk e Theater World) para o ator principal, Brian Backer. Mas não agradou ao público: após 62 apresentações foi tirada de cena. Depois disso, Allen só retornaria ao teatro com Central Park West (a nossa Adultérios), em 95.
 
Allen retornaria aos palcos de Nova York como autor, e estreando como diretor, em Writer’s Block (união de duas peças de um ato, Riverside Drive e Old Saybrook), em 2003. No ano seguinte, escreveu e dirigiu A Second Hand Memory. Esses dois espetáculos foram montados no circuito Off-Broadway.
 
O mais recente trabalho de Woody Allen para o palco foi a montagem, a pedido do tenor Plácido Domingo, da ópera Gianni Schicci, de Puccini, para a Ópera de Los Angeles, que estreou em 2008 no Dorothy Chandler Pavillion e, em 2009, abriu o Festival Dois Mundos, em Spoleto, na Itália. 
 
ADULTÉRIOS – Serviço:
 
Estréia: 8 de julho, sexta-feira, 21h30
 
Local: Teatro Shopping Frei Caneca (Rua Frei Caneca, 569 – 6º Andar)
 
Horários: Sextas, às 21h30 – Sábados, às 20h e às 22h – Domingos, às 19h.
 
Temporada: De 8 de julho a 25 de setembro de 2011
 
Preços: Sextas: R$ 50,00 – Sábados: R$ 70,00 – Domingos: R$ 60,00.
 
Duração: 60 minutos
 
Lotação: 600 lugares
 
Classificação Etária: 12 anos
 
Horário de funcionamento da bilheteria: terça à quinta, no 6º andar, das 13h às 19h; de sexta a domingo, no 6º andar, das 13h até o início dos espetáculos. Telefones da bilheteria: 3472.2229 e 3472.2230
 
Vendas pela Internet: www.ingressorapido.com.br/prefeitura e 11.4003.1212
 
Porto Seguro apresenta.
 
Patrocínio: Nextel e GMAC
 
Apoios: Piselli, Ministro 1153, Leia Doces, Vinhos Nieto Senetiner, Marcelo Sampaio e Hotel Address Cidade Jardim
 
Promoção: Rede Globo

Ídolos e a Pepsi Twist, com Marco Camargo NA BERLINDA. De Olho por Marco Felipak

Marco Camargo e jurados

Marco Camargo “NA BERLINDA”
 
Marco Camargo, apresentador, jurado do programa Ídolos e diretor musical da Rede Record, sentiu na pele o que é ser avaliado por uma banca de jurados musicais. Durante comercial gravado para a Pepsi Twist, Marco, principal personagem, chega à audição do programa para cantar e interpretar uma música de própria autoria e ser julgado por três feras da música, neste caso, interpretados pelos candidatos Henrique Lemes, Hellen Caroline e Higor Rocha, os finalistas da edição 2011 do programa.
 
O resultado dessa divertida propaganda poderá ser conferida apartir de  hoje, 05 de julho, nos intervalos do programa Ídolos.

Higor Rocha, Marco Camargo, Hellen Caroline e Henrique Lemes

 

Marco Camargo durante a gravação