Quem levanta a lebre é o Blog de Johnny de Ponta Grossa. Um dos veículos alugados pela candidata a governadora Gleisi Hoffmann (PT) e cedido para campanha do candidato a deputado federal Aliel Machado (PCdoB), presidente da Câmara de Vereadores, foi roubado. O problema é veículo Voyage, cor preta, placas Curitiba AYL-6056, tem as mesmas placas de uma Saveiro, de uso exclusivo do SUS, do Hospital Dr. Eduardo Dias no Ceará. É muito estranho que os dois veículos tenham placas idênticas. No caso, do carro cedido por Gleisi, o candidato comunista registrou a ocorrência do roubo na 13ª Subdivisão Policial de Ponta Grossa. Até o momento, o veículo não foi localizado. A Polícia investiga o caso. Foram levados pertences pessoais do vereador e uma grande quantidade de materiais de campanha que estavam no interior do veículo.

O sumiço do vice de Gleisi Hoffmann (PT) – o médico Haroldo Ferreira (PDT) – da campanha petista pode ter ligação com a manchete da Tribuna do Paraná desta quinta-feira (31). O jornal relata que o Hospital Municipal de Araucária está quebrado: salários atrasados, falta de medicamentos e de refeições para os pacientes. A administração do hospital estava terceirizada a Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, contratada em 2008 pela prefeitura de Araucária. E sabem quem era o secretário de Saúde da cidade até 2013? Bingo! Acertou quem disse o médico Haroldo Ferreira, responsável pelo pagamento de R$ 2,8 milhões mensais a Pró-Saúde entre 2009 e 2012.unnamed (25)
O médico pedetista pode repetir outro candidato à vice famoso, também do PDT, Derli Donin, que denunciado comprometeu a candidatura de Osmar Dias (PDT) em 2006. Ainda não se sabe se Ferreira foi conivente, ‘não sabia’ das improbidades da Pró-Saúde ou ainda prevaricou (soube e não denunciou). Ferreira é apresentado por Gleisi como coordenador do Programa Mais Médicos e responsável pelo programa de governo da petista na área de saúde,unnamed (24)
Já a Pró-Saúde, ligada ao petismo, é investigada em seis estados por irregularidades na administração de hospitais públicos no Paraná, São Paulo, Tocantins, Pará, Goiás e Espírito Santo. As investigações são conduzidas pelo Ministério Público nos âmbitos federal, estadual e do Trabalho. Entre as acusações estão má gestão, falta de prestação de contas, sumiço de medicamentos, superfaturamento de serviços e descumprir contratos de gestão firmados com governos estaduais e municipais. Depois da crise no hospital municipal, a prefeitura de Araucária rompeu o contrato com a Pró-Saúde e divulgou uma relação de denúncias contra a empresa.
Por meio de nota, a prefeitura de Araucária afirmou a Tribuna do Paraná que sempre realizou os pagamentos rigorosamente em dia e que mensalmente, conforme previa o contrato, pagava R$ 2,8 milhões para que a Pró-Saúde administrasse o hospital, conforme os comprovantes de pagamento disponibilizados pela Secretaria Municipal de Saúde.
 
De acordo com a prefeitura, desde 24 de julho a gestão do hospital é de responsabilidade do Instituto Bio Saúde, que juntamente com uma comissão de intervenção da Secretaria de Saúde e a direção da Pró-Saúde, está realizando a transição da administração do local. A prefeitura também afirma que os 430 funcionários e 123 médicos contratados pela Pró-Saúde devem ser devidamente indenizados, assim como o pagamento de fornecedores.

Carro alugado por Gleisi para campanha em PG pode ter sido clonado

Quem levanta a lebre é o Blog de Johnny de Ponta Grossa. Um dos veículos alugados pela candidata a governadora Gleisi Hoffmann (PT) e cedido para campanha do candidato a deputado federal Aliel Machado (PCdoB), presidente da Câmara de Vereadores, foi roubado. O problema é veículo Voyage, cor preta, placas Curitiba AYL-6056, tem as mesmas placas de uma Saveiro, de uso exclusivo do SUS, do Hospital Dr. Eduardo Dias no Ceará. É muito estranho que os dois veículos tenham placas idênticas.unnamed (23)
No caso, do carro cedido por Gleisi, o candidato comunista registrou a ocorrência do roubo na 13ª Subdivisão Policial de Ponta Grossa. Até o momento, o veículo não foi localizado. A Polícia investiga o caso. Foram levados pertences pessoais do vereador e uma grande quantidade de materiais de campanha que estavam no interior do veículo.

Defesa de Gleisi vai fazer ‘sustentação oral’ contra impugnação da petista

Os advogados de defesa da senadora Gleisi Hoffmann (PT) farão hoje no TRE a sustentação oral na defesa contra o pedido de impugnação da candidatura petista ao governo do Paraná. O pedido de impugnação, que será julgado hoje pelo tribunal, foi feito pelo candidato Ogier Buchi (PRP) e é baseado na escolha do candidato à vice da chapa petista, Haroldo Ferreira. O PDT indicou o vice na chapa depois do prazo para realização das convenções partidárias. A defesa de Gleisi alega que as convenções tinha prazo de realização até o dia 30 de junho, mas o registro dos candidatos poderia ser feito até cinco dias depois.unnamed (22)

Em Colombo, Cida diz que Paraná vai avançar ainda mais com Beto Richa

Em encontro com mais de 600 lideranças de Colombo, na noite de ontem, a deputada Cida Borghetti (PROS) afirmou que as políticas de atenção especial às pessoas com deficiência e em vulnerabilidade social serão reforçadas nos próximos anos. “O governador Beto Richa e sua equipe tem realizado um trabalho extraordinário no cuidado aos paranaenses que mais precisam. Mas sabemos que precisamos avançar mais. Com mais a atenção às mulheres, crianças, idosos. No respeito aos nossos professores e, sobretudo, na garantia de tranquilidade às famílias paranaenses”, disse a candidata a vice-governadora da chapa de Beto Richa.unnamed (21)

O evento foi organizado pela prefeita Beth Pavin (PSDB) e contou com a participação de candidatos a deputado estadual e federal de Colombo e região. “Aos candidatos, me coloco à disposição para ajudar na caminhada e também para receber sugestões e ideias para o nosso plano de Governo. Contamos com o apoio dessa chapa formada por 640 pessoas que querem nos ajudar na transformação iniciada em 2011”, disse Cida Borghetti.unnamed (20)

Não há qualquer liminar contra os dissidentes do PMDB no Paraná

Os  dissidentes do PMDB afirmam que não há qualquer liminar contra eles e que vão continuar apoiando a reeleição de Beto Richa (PSDB). “Alguns órgãos da imprensa têm divulgado notícia equivocada de que o juiz Austregésilo Trevisan, da 17ª Vara Cível de Curitiba, teria concedido medida liminar proibindo os dissidentes peemedebistas de fazer campanha

para qualquer outro candidato. Isso poderia ser considerado infidelidade partidária com risco de cassação de mandato ou de candidatura. Não há determinação judicial nenhuma. Não há qualquer proibição”, diz um peemedebista, advogado e jurista.unnamed (19)


“O candidato a governador, Roberto Requião, espertamente, ajuizou um protesto judicial, porque em protesto não cabe defesa. Ou seja, o magistrado só manda avisar o cidadão, sem qualquer ordem ou determinação, porque ele não julga nada”, completou.

Segundo os dissidentes, o Requião não entra com ação em que cabe contestação, porque sabe que o diretório nacional não pode tomar qualquer medida restritiva. “Afinal, existem diretórios estaduais inteiros do PMDB, como o da Bahia, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Espírito Santo que não trabalham para a presidente Dilma e Temer, que foram aprovados em convenção nacional do PMDB. Eles têm outro candidato a presidente. Como então punir o Paraná, onde alguns deputados não apoiam o candidato a governador? O próprio Michel Temer reconheceu que em muitos estados o PMDB não estaria com ele, mas disse que, mesmo assim, se for convidado, subirá no palanque do PMDB para ajudar os companheiros”, completou o jurista.

Marcello Richa no trecho tem mais publico que Gleisi e Requião juntos

Marcello Richa, coordenador da Tenda Digital da campanha de Beto Richa, está reunindo mais público em suas andanças pelo interior do Estado do que Roberto Requião e Gleisi Hoffmann juntos. Embora as reuniões sejam para  grupos de convidados e não abertas ao público em geral, Marcelo atrai e cativa jovens interessados em debater o futuro do Paraná e a política feita com seriedade.  

Já a campanha de Roberto Requião é um grande fiasco. Os eventos promovidos pelo senador  atraem pouquíssimas pessoas. Além de uns poucos gatos pingados do PMDB e de seus próprios assessores, ninguém mais aparece para ouvir o senador peemedebista.  Com auditórios às moscas, a coordenação de campanha já tomou a decisão de restringir as viagens  e aparições em público. Vão trancar Requião no estúdio de tevê.

Gleisi também começa a sentir a rejeição da população ao PT e os efeitos de suas ligações com correligionários do quilate de André Vargas e Eduardo Gaiveski. Em Paranaguá, por exemplo, nas comemorações do aniversário da cidade, ela estava acompanhada do deputado Ângelo Vanhoni, que é parnanguara e de meia dúzia de assessores. Segundo presentes, tinha mais seguranças ao lado da ex-ministra do que povo. Seguem as imagens:

MARCELLO RICHA
unnamed (9)
unnamed (11)NONAunnamed (5)unnamed (6)ROBERTO REQUIÃOunnamed2410559178_10153018098234535_557406024_n (1) unnamed (12) unnamed (13) unnamed (14)GLEISI HOFFMANNunnamed132unnamed (17) unnamed (16)

 

 

Professor Fajardo revela origem do modelo que castiga a Copel

O professor Cláudio Fajardo, um dos ícones da esquerda militante do Paraná, usou seu perfil no Facebook para fazer uma revelação bombástica, sobre a origem do modelo energético brasileiro, que castiga a Copel. “Estava eu no aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, próximo a Curitiba, quando encontrei Jorge Samek”, relembra.unnamed (8)
 
Segundo Fajardo, o encontro ocorreu no início do governo Lula e o atual diretor da Itaipu, Jorge Samek, levou o projeto entregue para a então ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff. “Foi com esse projeto que se instituiu o atual modelo em que a Copel fornece a energia por um preço, e compra por outro bem mais caro, para um ente nacional que também compra de outros fornecedores do Brasil”, continua.
 
“O Samek é um dos principais apoiadores da Gleisi. Já imaginaram a Gleisi governadora com o aconselhamento de Samek e Paulo Bernardo?”, encerra o post.
 
Leia a seguir a íntegra do desabafo de Cláudio Fajardo:
 
“Estava eu no aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, próximo a Curitiba, quando encontrei Jorge Samek. Início do governo Lula, eufórico me cumprimentou e me confessou: aqui está o novo projeto de energia para o Brasil, disse apontando para uma pasta preta de couro. Ele estava levando o projeto para a então ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff. Mal sabia eu que se tratava de um projeto lesivo ao Paraná. Foi com esse projeto que se instituiu o atual modelo em que a Copel fornece a energia por um preço, e compra por outro bem mais caro, para um ente nacional que também compra de outros fornecedores do Brasil. Como a Copel produz energia a um custo menor do que os outros ela vende por um preço menor. Depois é obrigada a comprar por um preço maior. O Paraná, que investiu em produção de energia durante anos a fio, vai pagar o mesmo preço que outros estados que não investiram ou que produzem a energia por um custo maior. Legal, não é.
O Samek é um dos principais apoiadores da Gleisi. Já imaginaram a Gleisi governadora com o aconselhamento de Samek e Paulo Bernardo?”