Eduardo Campos diz que recusou oferta do PT para sair candidato em 2018

O candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) afirmou nesta segunda-feira (7) ter recusado propostas feitas pelo governo para que ele e seu partido permanecessem na coalizão de apoio a Dilma Rousseff (PT), entre elas uma “para 2018”. Nos bastidores, petistas dizem que houve a sinalização a Campos de que ele poderia ser o candidato da aliança ao Palácio do Planalto daqui a quatro anos, caso se mantivesse fiel a Dilma.unnamed (15)
 
A declaração de Campos foi dada em resposta à pergunta sobre por que o PSB, que hoje considera o governo Dilma um fracasso, integrou a gestão por mais de dois anos e meio, vindo a romper com o Planalto só em setembro do ano passado.
 
“Quando vimos que o projeto tinha inconsistências, fizemos a crítica interna. E fizemos o que não é comum na política, saímos do governo. Saímos pela porta da frente. A nós foi tentada várias promessas, de participação no governo, de participação em chapa, promessa para 2018”, afirmou Campos, sem detalhar essas supostas ofertas.
 
No segundo dia oficial de campanha, o pessebista fez uma caminha em Águas Lindas (GO), no entorno do Distrito Federal, na tentativa de passar o sinal de que o governo convive com bolsões de pobreza em sua vizinhança. No domingo, ele estreou a campanha com uma visita à favela Sol Nascente, no Distrito Federal, uma das maiores do país.
 
“Marqueteiro”
 
“Acho que chegou a hora da presidente Dilma sair de trás do marqueteiro e vir para as ruas falar com o povo, dizer o que ela fez nesses quatro anos. Porque a gente procura no Brasil real e não encontra o governo desses quatro anos”, afirmou em entrevista ao lado de sua vice, Marina Silva, outra dissidente da coalizão petista.
 
“Há o Brasil colorido do marketing e um Brasil em preto e branco que o marketing não mostra”, reforçou Marina. Segundo a dupla, a prioridade da chapa é percorrer o “Brasil que pede socorro”.
 
Na caminhada pelo comércio de Águas Lindas, por algumas vezes Marina, candidata à Presidência em 2010 e bem mais conhecida do que Campos, foi o centro das atenções.
 
No percurso, os dois encontraram várias pessoas do Norte e do Nordeste (Marina é do Acre, Campos é de Pernambuco), incluindo um primo de segundo grau do pessebista, Ângelo Fábio Braga Arraes, 42. Eletricista e morador de Águas Lindas, Ângelo afirmou que já havia tentado se encontrar várias vezes com Campos, mas nunca obtivera sucesso.
 
O candidato à Presidência brincou dizendo que o reconheceu como parente pelos olhos claros e pelo formato calvo da cabeça, segundo ele similares ao do avô, o ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, morto em 2005. “Se puser a foto dele ao lado do meu avô não precisa fazer DNA”, brincou.
 
Na caminhada, Campos e Marina também fizeram prognósticos para a final da Copa. O pessebista aposta em Brasil e Holanda. Marina afirmou torcer para ser o Brasil “contra qualquer um”. Além da caminhada pelo comércio, os dois visitaram um projeto social na cidade
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s