Foram encontrados os cavalos LOUIS VUITTON de Requião e não estão em Dallas

Cocheira da corrupção – Durante os oito anos em que esteve à frente do governo do Paraná (2003-2010), o peemedebista Roberto Requião manteve 88 cavalos, tratados e mantidos com dinheiro público (custo estimado em R$ 8 milhões), na residência oficial rural Granja do Canguiri. Os animais eram usados para alegres cavalgadas matinais com amigos do político que por conta do temperamento explosivo passou a ser chamado de “Maria Louca”.

Quando deixou o governo, Requião doou 29 cavalos (os mais velhos e menos saudáveis) à Polícia Militar do Paraná. Manteve tropa de 59 quadrúpedes, os quais foram transferidos para uma propriedade particular em Campo Largo, cidade da Região Metropolitana de Curitiba. A denúncia, divulgada pelo ucho.info na edição de 12 de maio deste ano, foi reproduzida na edição desta quinta-feira, 7 de agosto, do jornalFolha de S. Paulo.

Contudo, a Folha não revela o destino da tropa do senador. Os equinos foram instalados no Haras Rio Verde, propriedade de Luís Mussi (na foto, de jaqueta vermelha). Empresário e segundo suplente de Requião no Senado, Mussi é investigado pela Polícia Federal na Operação Dallas, por participação em esquema criminoso envolvendo a compra de uma draga chinesa para o Porto de Paranaguá em 2010.Cavalgada.

A compra do equipamento renderia US$ 5 milhões em propina, que seria dividida entre Eduardo Requião (50%), irmão do então governador Roberto Requião e Luís Mussi, ex-assessor especial do governo do Paraná, e dono do haras que abrigou a tropa de Requião quando este deixou o governo.

“Nas conversas narradas nos relatórios da PF, obtidos com exclusividade pela Gazeta do Povo e que fazem parte da investigação da Operação Dallas, o ex-superintendente Daniel Lúcio de Oliveira de Souza fala que Eduardo Requião, citado nas conversas como “Crocodilo”, receberia US$ 2,5 milhões (R$ 4,2 milhões) em propina caso a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) comprasse a draga da empresa Global Connection”, relata o jornal Gazeta do Povo.0906-requiao-cavalos

“A outra metade da propina, segundo documento da PF, seria dividida após a conclusão da licitação. Dois dos supostos beneficiários seriam o empresário Luís Guilherme Gomes Mussi, ex-assessor especial do governo e segundo suplente do senador Roberto Requião, e Carlos Augusto Moreira Júnior, que foi chefe de gabinete do ex-governador, disputou a prefeitura de Curitiba em 2008 pelo PMDB e é ex-reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR)”, prossegue o jornal.

De acordo com a Gazeta, as evidências de crime foram obtidas “após seis meses de monitoramento telefônico, autorizado pela Justiça Federal, a PF pediu ao Poder Judiciário que chegou a pedir prisão de Eduardo Requião e de Luís Mussi, entre outros envolvidos, por entender que havia provas do envolvimento deles na tentativa de fraudar a licitação. “Há provas suficientes de que houve conluio entre agentes públicos e privados para que fosse direcionada a licitação para a compra da draga”. Os pedidos de prisão, no entanto, foram negados.

As investigações da Operação Dallas trouxeram a publico outro caso intrigante. O hábito do superintendente dos portos de Paranaguá e Antonina de guardar montanhas de dólares em casa. “Em uma troca de e-mails, datados de 4 de abril de 2010, dois dos investigados falam sobre o fato de Eduardo Requião guardar dólares em apartamentos em Curitiba e no Rio de Janeiro. O relatório da PF mostra ainda que um dos investigados relatou que Eduardo Requião tem uma conta nos Estados Unidos”.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s